FeaturedPolítica

Em 1º debate, Dilma busca desconstruir imagem de “bom gestor” de Aécio, que chama a petista de leviana

Parecia debate entre candidatos ao governo de Minas. E não à toa. No primeiro duelo entre Dilma Rousseff e Aécio Neves neste segundo turno, o caráter plebiscitário predominante entre dois projetos de governo deu lugar, em diversos momentos, a uma série de questionamentos sobre a administração do tucano em Minas Gerais e ao desempenho eleitoral do ex-governador em seu reduto. Era a estratégia do estafe petista para tentar desconstruir a imagem de gestor do tucano apresentada em sua propaganda.

Acuada pelas suspeitas de suborno na Petrobras, que marcaram o noticiário na última semana, e pelos índices na economia, a presidenta optou por elencar uma série de números negativos a respeito da administração de Aécio no estado. Dilma questionou a construção de um aeroporto com dinheiro público na fazenda de um tio do candidato, o desvio de R$ 7,6 bilhões dos recursos mínimos previstos em lei para a Saúde citado pelo TCE-MG, os gastos em publicidade oficial em veículos da família Neves, o endividamento e a contratação de funcionários sem concurso do estado. Esta última referência, que resultou em uma condenação no STF, foi levantada após o candidato defender a meritocracia na administração pública.

A tática colocou na defensiva o candidato, que iniciou o debate fazendo elogios a Fernando Henrique Cardoso e Luiz Inácio Lula da Silva. Em tom irônico, ele tentou dissociar a imagem da presidenta à imagem do antecessor ao dizer que os problemas na economia eram o resultado de decisões equivocadas dos últimos quatro anos. Ele ironizou, por exemplo, a declaração do secretário de Política Econômica da Fazenda, Márcio Holland, segundo quem a população deveria substituir carne por ovo e frango diante da alta dos preços. “É essa a sua política de combate à inflação?”, perguntou. Ele ironizou também o fato de Guido Mantega ter sido demitido em plena campanha e continuar a exercer o cargo de ex-ministro da Fazenda em atividade. E citou os investimentos do BNDES para a construção de um porto em Cuba, ponto comum na crítica de eleitores que rejeitam o projeto petista. Para Aécio, faltava transparência às ações do banco de fomento, uma crítica usual, também, de lideranças do mercado e do setor produtivo.

Mais de uma vez, eles debateram a paternidade de programas sociais como o Bolsa Família, numa tentativa de o tucano mostrar que, caso eleito, manteria o que estava dando certo no atual governo.

A briga pela paternidade dos programas levou o candidato a dizer que o Plano Real era o grande projeto de inclusão social do País. E que se alguém deveria ser lembrado como pai do Bolsa Família era FHC. “Agora o senhor foi longe demais. Entrou no perigoso terreno do mito”, respondeu a petista.

No momento mais tenso do debate, Dilma acusou o tucano de improbidade administrativa e de nepotismo. Disse que Aécio empregava em seu governo a sua irmã, tios e primos. O adversário a desafiou a dizer qual era o cargo da sua irmã, mas não havia tempo para tréplica. O sorriso de ironia que marcara o início do embate começava a se desmanchar.

Após quase uma hora de debate, Aécio tirou do bolso o escândalo da Petrobras. Dizia não ter visto indignação, por parte da adversária, com o caso. Ela respondeu que sua indignação era a mesma de todos os brasileiros. E voltou a afirmar que em seu governo suspeitas como as da estatal são investigadas. Em seguida, listou uma série de escândalos dos governos tucanos, do caso Sivam ao mensalão mineiro, passando pelo cartel do metrô e o aeroporto na fazenda da família. “Os acusados estão todos soltos”, disse.

Quando tinha chance de fazer perguntas a Aécio, Dilma tentava levar o tucano a dizer o que pensava dos programas de seu governo. O tema preferencial era o Pronatec (que o rival elogiou, mas prometeu aperfeiçoar), mas passou também por questões como a “violência contra a mulher”.

Mais de uma vez Aécio disse que a candidata mentia e a acusou de leviana. Ele defendeu a construção do aeroporto na fazenda do tio e fez referências aos altos índices de popularidade de seu governo no estado. Dilma contra-argumentou lembrando ter tido mais votos que ele entre os mineiros.

As provocações entre os candidatos levavam o eleitor a se indagar se sobraria artilharia para a maratona de debates até o fim da próxima semana: no SBT, na Record e na Globo. Neste primeiro, prevaleceu a lógica de mostrar que as acusações de sujeira partem de rivais mal-lavados. Se o eleitor se sensibilizará com a estratégia, as próximas pesquisas é que dirão.

Foto: Divulgação
Fonte: Yahoo

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar