Brasil

Intervalo maior entre doses da vacina de Oxford oferece mais proteção, diz estudo

Duas doses da vacina da Universidade de Oxford com a farmacêutica AstraZeneca aplicadas com um intervalo de três meses são mais eficazes do que duas aplicações em um espaço de seis semanas, mostra um estudo publicado nesta sexta-feira (19) na revista científica The Lancet, uma das mais respeitadas internacionalmente na área da medicina.

A vacina, chamada Covishield, já é aplicada no Brasil com um intervalo de três meses entre as duas doses.

De acordo com o artigo, a proteção contra casos sintomáticos da Covid-19 foi de 81% após pelo menos 14 dias da aplicação da segunda dose dada com intervalo de três meses. No regime de vacinação com espaço de seis semanas, a eficácia foi de cerca de 55%.

A dose única demonstrou ainda eficácia de 76% contra infecções sintomáticas do coronavírus Sars-Cov-2 nos três meses após a primeira dose, sugerindo que a ampliação do intervalo não traz prejuízo para a proteção contra a doença.

Na análise, foram incluídos dados de mais de 17 mil participantes dos estudos realizados com a vacina no Reino Unido, Brasil e África do Sul.

No Reino Unido, a vacina é usada em um regime de aplicação de duas doses com um intervalo de 4 a 12 semanas entre elas. Assim, afirmam os cientistas, os resultados do estudo fornecem suporte para a atual política de estender o intervalo entre as doses da vacina no Reino Unido e está consistente com o aconselhamento da OMS (Organização Mundial da Saúde).

Para os pesquisadores, um programa de vacinação que tenha um intervalo entre as doses de três meses, como o demonstrado pelo estudo, tem vantagens sobre as vacinações com um intervalo mais curto. Além de garantir uma proteção mais elevada, é possível imunizar um número maior de pessoas em um período de tempo mais curto mesmo com quantidades limitadas da vacina. A dose de reforço, oferecida mais tarde, serviria para ampliar a proteção.

“O suprimento de vacinas é limitado, pelo menos no curto prazo, e as autoridades devem decidir como fazer a melhor entrega das doses para alcançar o melhor benefício de saúde pública. Onde houver suprimento limitado de imunizante, políticas de inicialmente vacinar uma maior quantidade de pessoas com apenas uma dose pode ser melhor para proteger a população mais rapidamente do que vacinar metade das pessoas com duas doses”, afirmou em comunicado Andrew Pollard, professor da Universidade de Oxford e um dos líderes da pesquisa.

“No longo prazo, a segunda dose deve assegurar uma imunidade duradoura, e assim encorajamos a todos que tomaram a primeira que recebam as duas doses”, disse o pesquisador.

Em comunicado, os autores do estudo informam que outras vacinas, como a da gripe, ebola e malária, também dão maior proteção e resposta imune mais forte com um intervalo mais longo entre as doses.

A Covishield deve ser fabricada na Fiocruz nos próximos meses. O Ministério da Saúde tem um acordo com as desenvolvedoras que permite a fabricação brasileira de 210,4 milhões de doses do imunizante até o fim de 2021. (Bahia Notícias)

Sex researchers have defined orgasms within staged sexual response models. viagra online Although the orgasm process may be very different among individuals, many physiological changes have been identified that tend to occur in most cases.

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar