Saúde e Bem Estar

‘Se amem como são’, dizem mulheres do movimento ‘Vai ter gorda’ na BA

Mulheres iniciaram movimento em janeiro deste ano, em Salvador.
Grupo foi inspirado pelo ‘Vai ter gorda na praia’, que surgiu em São Paulo.

Bom humor e autoestima são as marcas das mulheres de 20 a 48 anos que integram o movimento “Vai ter gorda” na Bahia. Em conversa , elas contaram sobre a necessidade de políticas públicas para pessoas gordas no estado, a importância da valorização da autoestima e o objetivo do movimento que começou as atividades este ano, em Salvador.

“Em 2012, o movimento ‘Vai ter gorda na praia’ surgiu em Santos [litoral de São Paulo] e depois foi ganhando outros nomes em cidades do país. Aqui em Salvador nós contamos com 30 integrantes efetivas, mas temos mais de mil seguidores nas redes sociais, trocamos ideias com mais de 100 pessoas em grupos de whatsapp e estamos percebendo que o movimento está cada vez mais alcançando pessoas”, explica a funcionária pública Adriana Santos, de 31 anos.

Adriana é modelo plus size e a primeira miss plus size da Bahia. Ela representa o movimento no estado e ajuda a organizar os encontros. “O objetivo do grupo é melhorar a autoestima das mulheres gordas, incentivar que as pessoas se valorizem e se amem como são. Queremos sugerir políticas públicas, mostrar às pessoas que também precisamos de acessibilidade. Mesmo se alguma de nós perder peso, continuaremos no grupo, porque não precisa ser gorda para lutar contra a gordofobia. A pessoa só tem que ser humana”, relata Adriana.

Mulheres do movimento 'vai ter gorda' falam da importância da autoestima na Bahia (Foto: Maiana Belo / G1 BA)Mulheres falam da importância da autoestima

As mulheres que integram o grupo chegaram a realizar atos nas praias. A intenção era fazer uma relação com um evento de Santos para incentivarem as mulheres a saírem do sedentarismo, ter uma vida de lazer, e estimular a todas que usem biquínis. “Tem que sair do anonimato, não pode se excluir”, completa a turismóloga Maria França, que também faz parte do movimento.

Adriana destaca a importância do movimento e relata como percebe a reação das pessoas com relação ao grupo. “É um movimento que impacta. Você estar sozinha de biquíni é uma coisa e chegar em um grupo é diferente. Quando chegamos na praia do Porto da Barra recebemos aplausos. A gente tem o direito de usar o que quisermos e o que está na moda. Somos mulheres, vaidosas e gostamos de estar bonitas. A gente quer mostrar a quem está depressivo, a quem está em casa, sem conseguir sair, que não vai à praia, à piscina, que pode fazer o que quiser. Por que eu não posso usar um biquíni?”, questiona.

Apesar de estarem confiantes com relação a autoestima, as mulheres abordam os problemas de espaço que encontram. Maria França, por exemplo, conta que já teve situações difíceis com fardamento. “O mercado de trabalho nos exclui o tempo todo. Como trabalho com turismo, muitos locais têm fardamento padrão e nunca cabe em mim. É como se quisessem dizer: ‘Aqui não é o seu espaço’. E todo local de trabalho deve estar aberto para receber e inserir todo mundo. Fico triste, mas isso não me fez desistir”, disse.

“A gente vai pegar um ônibus e não pode passar na roleta. Você vai sentar no avião, não cabe, tem que pagar mais caro para ter mais espaço. Os provadores de lojas não são muito diferentes: a gente se aperta para experimentar uma roupa, isso quando tem nosso tamanho. A gente busca com esse movimento políticas públicas para ajudar nesse sentido da acessibilidade, da saúde e programas voltados para atender a mulher gorda”, completa Adriana.

Movimento 'Vai ter gorda' surgiu em 2016, na Bahia (Foto: Maiana Belo / G1 BA)Movimento ‘Vai ter gorda’ surgiu na Bahia em 2016

Movimento e saúde
As integrantes do movimento falam que as pessoas que as conhecem têm o costume de relacionar godura a doenças, mas que nem sempre é verdade. “Tenho uma amiga que é magérrima e tem colesterol alto”, diz a pedagoga Susana Fontoura.

Elas relatam ainda que as pessoas gordas são vistas como preguiçosas, comilonas, doentes, mas a partir do movimento elas querem mudar essa visão.

“Pensam que a pessoa é gorda porque come muito. Elas não pensam que a outra pode ter um problema hormonal ou algo do tipo que a faz engordar”, disse Maria França. Todas elas contam que fazem exames regularmente e não possuem qualquer tipo de doença. Elas também dizem que não são sedentárias e falam sobre a importância da atividade física. Algumas gostam de exercícios mais leves, mas no grupo tem até competidora de jiu-jitsu.

“A atividade física me ajudou bastante, porque o sedentarismo prejudica muito a gente, mas quando a gente diz ‘eu posso’, a gente consegue. Eu não penso em emagrecer quando eu vou competir no jiu-jtsu, por exemplo, afinal tem sempre alguém do meu peso para competir comigo. Não faço para emagrecer, faço porque me sinto bem. A gente pode fazer artes marciais. Eu sou gorda, mas não sedentária. Eu faço capoeira também, tenho uma vida normal, mas as pessoas que estão vendo não enxergam isso de bom grado. Acham que gordo é preguiçoso, que não tem vontade de fazer as coisas e a gente prova que isso não é verdade”, relata a professora Paula Goobgloves.

A professora de educação física Telma Teodora também fala das atividades físicas. “Não tenho problema de saúde. Eu sofri por ser professora de educação física e ser gorda. Hoje também faço dança de salão e me sinto bem, levo a vida feliz”, relata Telma.

Para as integrantes do movimento, outro problema que enfrentam é a forma que as pessoas falam sobre as pessaos gordas. “O problema são as palavras das pessoas. Por muitas vezes, uma palavra maldita adoece. Todo mundo aqui já tentou emagrecer. Hoje, a gente assume o ‘se gostar’ dessa forma”, disse a técnica de enfermagem Iracema Muniz.

Foto: Maiana Belo / G1 BA)

Fonte: G1 Bahia

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar