BrasilFeaturedPolítica

Enfermeira diz ter facilitado exclusão de registros de vacinação de Bolsonaro

Uma enfermeira da prefeitura de Duque de Caxias-RJ afirmou ter emprestado a senha para um secretário da cidade apagar os registros de vacinação do ex-presidente Jair Bolsonaro.

Segundo a Folha de São Paulo, Cláudia Helena Acosta Rodrigues da Silva, chefe da central de vacinação de Duque de Caxias, fez a afirmação em depoimento à Polícia Federal (PF). Ela diz ter emprestado sua senha para João Carlos de Sousa Brecha, o secretário de governo do município.

Cláudia alega que não recebeu os CPFs de quem teria o registro excluído, que não viu “má-fé” no pedido do secretário e que o ajudou a pedido de sua chefe, a secretária de Saúde Célia Serrano.

A enfermeira foi um dos alvos da operação Venire no dia 3 de maio, quando a PF fez buscas na residência de Bolsonaro e prendeu o secretário João Carlos Brecha, o tenente-coronel Mauro Cid, ex-chefe da Ajudância de Ordens do Presidente da República, e outras quatro pessoas.

De acordo com a PF, no dia 21 de dezembro do ano passado, João Brecha incluiu as informações falsas no sistema do Ministério da Saúde de que Bolsonaro teria tomado, em agosto e outubro, duas doses de vacina contra a Covid no município de Duque de Caxias.

Seis dias depois, no dia 27 de dezembro, as informações foram excluídas pela funcionária Cláudia Silva, sob a justificativa de “erro”.

Segundo a PF, entre a inserção dos dados falsos e a exclusão, o usuário associado ao então presidente Bolsonaro emitiu o certificado de vacinação no aplicativo do ConecteSUS. No dia 30 de dezembro, Bolsonaro viajou para os Estados Unidos.

O depoimento dele à PF, sobre este caso da fraude no cartão de vacinação, está marcado para a próxima terça-feira (16). A prefeitura de Duque de Caxias afirmou que instaurou sindicância para apurar os fatos.

A assessoria de Jair Bolsonaro declarou que ele não se vacinou, que desconhece o uso de senhas em seu nome ou para uma suposta vacinação com o objetivo de viajar para os Estados Unidos e que Bolsonaro não precisava da comprovação de vacina para ingressar no país.

A defesa de Mauro Cid informou que só vai se manifestar no processo. O Jornal Nacional não conseguiu contato com Cláudia da Silva, João Carlos Brecha e Célia Serrano.

 

 

(Varela Net).

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar