BrasilCidadeEntretenimentoFeatured

Raimundo Varela, ícone do rádio e da TV, completa 75 anos; relembre trajetória

Um convite para ser jurado na TV Itapoan, em Salvador, marcaria o início de uma longa trajetória de um dos maiores comunicadores da Bahia: Raimundo Varela, que nesta terça-feira completa 75 anos —dos quais, mais de 40 dedicados à profissão. À época, o talento do jovem itabunense o levaria a ganhar status fixo na atração, comandada por Waldir Serrão. Pouco tempo depois, virou âncora do Telesporte, ao lado de Fernando José, naquela mesma emissora.

O sucesso foi tanto que, nos 1980, a dupla acabaria comandando o Povo na TV, programa que consagraria o estilo que o notabilizou: usar o jornalismo como meio para ajudar os mais necessitados  Ali, o já popular Varela se firmava como nome forte na televisão e no rádio.

Na Sociedade da Bahia, fez da versão radiofônica do Balanço Geral uma das maiores audiências do segmento nas primeiras horas da manhã. Nesse período, dividiu a bancada com Armando Mariani, outro grande comunicador do rádio baiano, com quem conquistou milhares de ouvintes. Um público formado por gente comum —taxistas, rodoviários, porteiros e trabalhadores em geral, a favor dos quais incomodou “sacripantas” e “canalhocratas” econômica e politicamente influentes.

Raimundo Varela no comando do Balanço Geral da Rádio Sociedade da Bahia (Foto: Divulgação/Rádio Sociedade)

E, como o “ouvidor do povo”, Raimundo Varela também atuou nos bastidores para defender os mais humildes. “Sempre contei com o apoio dele, um coração aberto para todas as nossas demandas e pedidos. Uma pessoa que eu sei que podemos contar nos momentos de alegria e de dificuldades”, contou em uma entrevista à RecordTV Itapoan Maria Rita Lopes Pontes, superintendente das Obras Sociais Irmã Dulce (Osid), sobre a parceria de longa data entre o comunicador e a entidade.

Infância no subúrbio e trabalho duro na juventude

Nascido em 30 de novembro de 1947, em Itabuna, Raimundo Varela Freire Júnior veio com os pais para a capital baiana ainda criança. Cresceu no bairro de Periperi, no subúrbio ferroviário, onde teve uma infância pobre, mas não menos divertida para um garoto de seu tempo.

As dificuldades financeiras, porém, nunca foram empecilhos para quem sempre esteve obstinado por uma vida melhor —para si e para os outros. Antes da carreira profissional no rádio e na TV, encarou todo tipo de batente:  foi peão de uma fábrica de cimento no CIA (Centro Industrial de Aratu), diretor de um clube social na Cidade Baixa, taxista e até jogador de futebol. Sim, Varela foi atleta profissional no Leônico e no Ypiranga. Foi logo após passagem pelo “Mais Querido” que Varela recebeu o primeiro convite para ser comentarista do programa esportivo Papo de Bola.

Em 1990, Varela trocou a TV Itapoan pela Bandeirantes Bahia, onde apresentou o programa Jogo Aberto. Em 1997, o apresentador retornou à antiga casa, já afiliada da Record, e voltaria ao Balanço Geral.

Sheila e Varela são casados desde 2010

Em 2006, problemas renais e de diabetes deixaram Varela entre a vida e a morte. Precisou ser internado às pressas no Hospital Aliança em Salvador; em seguida, foi transferido para o Hospital Osvaldo Cruz, em São Paulo. Três meses depois, Varela foi submetido a um transplante de fígado e rim. O procedimento foi bem-sucedido e, seis meses mais tarde, o comunicador estava novamente no ar.

O comunicador e a filha Marianna, fruto do casamento com Sheila Varela

O apoio de Sheila Varela, com quem é casado desde 2010, foi crucial para sua recuperação. “Foi um dos momentos mais difíceis, mas que acabamos dividindo o sofrimento, nossas inseguranças, e passamos de forma muito colada. Depois a relação fica outra, de confiança, credibilidade e companheirismo. E isso só soma”, declarou Sheila no dia em que o casal retornou e foi recepcionado por amigos e familiares no aeroporto de Salvador.

Namoro com a política

Em 2008, Raimundo Varela flertou com a política. Filiado ao PRB, ensaiou uma pré-candidatura a prefeito de Salvador e liderou as pesquisas. Depois de conversas com aliados, contudo, ele recuou da ideia e abriu caminho para a postulação de Antonio Imbassahy (PSDB), que terminou a eleição em quinto lugar —João Henrique Carneiro (PMDB) venceu a disputa.

Em 2010, o radialista apoiou a candidatura da esposa Sheila a deputada estadual.

Varela, por sua vez, prosseguiu na missão de comunicar e repete até hoje um dos seus mais célebres jargões. “E vou para onde o povo quiser me levar”, diz, enquanto bate na mesa.

 

(Varela Net)

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar